mercredi 24 juin 2015

Viva São João

"A água que escorria
de nossos poros
Era salgada como a do mar

O mesmo mar que não chega
nas nossas raízes primevas
Mas cobre nossos olhos
desde o dia em que se cruzaram "...

Na praça enfeitada
Uma multidão passava, corria ,
se entreolhava
E ali,
Entre identidades perdidas,
Carteiras de vento no chão,
Gengibre engarrafado com cravo...

Minha pele encostou na sua
Dos quadris renasci
Da voz soprano perto
De suas mãos acordando
tudo em mim

Um sol quente nascia
No passo no pulso na pele
Em nós


dimanche 7 juin 2015

Pra te ver voltar

Abro-te a porta
Para que daqui a pouco
Sintas vontade
De voltar.

Cavalo

A crina ao vento
as patas correm o monte
um pasto ou pouco
o caminho inteiro
o mar revolto
seus olhos de adeus
equino
A loucura rebeldia
em sao roque
E a liberdade de cavalgar
Até a curva de tudo
Equestre alma
De partir
De correr
De desbravar a si
E ao Mundo

Amor

Essa madrugada
Acordei num repente
Te vi contornando a mim

Soprei baixo
O que senti ali:
O amor acontece assim,
Nas horas vagas
Na madrugada
Na padaria
Na estrada
Ou em qualquer instante.