mardi 7 septembre 2010

Do pensar.

Não dormiu,
Nem acordou.

Nem dormiu,
e não acordou.

Descordou,
ainda de olhos abertos,
de ter sido assim.

A cor dou a que couber,
com nuances de verde alfazema
preto no branco e toques de pele clara macia.

Não preciso de provas,
ainda que fotos documentem
e que reste uma caixa preta de memórias,

Ser impreciso é mais difícil,
É decifrar pensamentos e
fazer entender
o que "eu mesmo" não entende.


Amanheceu.

E se seu cheirinho grudar no meu?