vendredi 22 mai 2009

Em suas linhas

Seu sorriso me cala e
eu não consigo ir embora.

mardi 12 mai 2009

Sinto o cheiro de novo.

Oscilo entre a saudade do passado sem-par,
a esperança de uma retomada fantástica,
e a coragem fugidia de abraçar o escuro.


As manhãs vão se levantando como se aguardassem
São sempre a expectativa do que pode ser esse dia.
Há meses, elas esperam.


A construção me acorda ensurdecedora,
a me questionar "e então",
tudo que me olha espera uma decisão.


Meus passos já não aguentam,
andam cansados de titubear,
ora centro, ora longe,
ora perto, ora distante.


Até que chegará o momento do sim,
Quando a construção
será desconstrução,
E as manhãs não mais me perguntarão


O escuro arredio me enlaçará sem escrúpulos,
Eu o desejarei sem pudor,
Sentirei o novo deslizar forte pelos meus sentidos,
E tudo será composto de novos rumos.

lundi 4 mai 2009

Letra livre.

Queria ter essas palavras que traduzem a vida
Queria esse sentimento que arrepia o braço
Queria o verbo encantado pra soltar em pedaços

Queria o profundo do dizer o que é seu
Querendo em profundo traduzir como meu
Querendo um espaço onde se faça canção
Meu mundo, seu mundo numa só fração.


De ser tão inteiro quando se abre o compasso
De ter essa rima, essa moleza de quem tem esse traço
De sentar na calçada e ver como se formam os passos
Daqueles que contam sua vida como fracos
Quando apenas não contam o peso de sua sabedoria
Não conhecem a leveza de sua poesia


Reconhecendo que sua beleza está na ignorância
De não nomear o que na vida não tem importância
Encontrando lugar pro sentido e só
Observar devagar o movimento do sol.



Queria ter o sabor dessa gente que samba
E poder sambar em todo lugar sem virar só lembrança
Carregar nos quadris o registro da palavra
E levar sob os pés o batuque da alma.

Vovó Sissi

- Os negros da Bahia vieram de 4 grupos. Eu posso lhe dizer assim, que mais ou menos 60% deles são do povo Iorubá, sabe? Esse canto na fala, esse jeito mando do povo daqui vem muito do povo Iorubá, eles falavam assim. Aí sobram 40% e eu te digo que esses 40 se dividem em 2 grupos de 20%, o primeiro deles é formado pelo povo que veio da região onde hoje é o Congo e os outros, é uma mistura, mas tem principalmente o povo de onde hoje é Gana e a República de Togo. As negras Ashanti, ah.. elas eram muito bonitas muito vistosas assim... Aqui nós temos muita influência dessas negras.

Tem também os negros lá na África que escravizavam outras etnias, por isso que vieram tantos Iorubás pra aqui, porque eles foram escravizados por seus vizinhos que eram mais poderosos, então eles mesmos começaram a se escravizar lá na África...
Além desta, ela contou mais muitas histórias, tudo isso num vão de 40 minutos, eu ia ouvindo e virando um pouco daquele chão, um pouco daquelas plantas em redor, um pouco as palavras dela. Ela contava sobre minha origem e eu virava um pouco pó, despedaçando em meu desconhecimento, virava um pouco gente também e podia olhar no olho dela e saber que tem algo em nosso sangue que circula junto, que nossas palavras cantadas dançam junto e nossos corpos escurecem com mais facilidade no sol.
Ela tem mais de 70 anos com essa imensidão distribui conhecimento e vida em suas histórias, conta de um passado que anda pelas ruas de Salvador, fala com as crianças com uma voz forte e carismática que desperta a curiosidade deles e o respeito também, todos a chamam de e tem por ela esse sentimento mesmo de cumplicidade e carinho.
Ela podia ser uma personagem (e é) mas é tão de verdade que é uma daquelas coisas que fazem a gente ter paixão pela vida.